A ORIGEM DO MANGALARGA MARCHADOR

O Mangalarga Marchador tem sua origem em cavalos da coudelaria Alter Real (Lusitano), que chegaram ao Brasil trazidos pela côrte portuguesa, e foram cruzados com cavalos comuns de lida, na época colonial. Essa base era formada principalmente por descendentes de cavalos bérberes e raças ibéricas que chegaram ao Brasil na época da Colonização do Brasil e se reproduziram desordenadamente.


Em 1812, Francisco Gabriel Junqueira (o Barão de Alfenas) iniciou sua criação de cavalos cruzando garanhões da raça Alter com éguas comuns da Fazenda Campo Alegre, situada no Sul de Minas Gerais. Como resultado desse cruzamento, surgiu um novo tipo de cavalo, o Sublime, que acreditamos ter sido denominado assim pelo seu andar macio.


Esses cavalos cômodos chamaram muito a atenção, e logo o proprietário da Fazenda Mangalarga trouxe alguns exemplares de Sublimes para seu uso em Paty do Alferes, próximo à Côrte no Rio de Janeiro. Rapidamente tiveram suas qualidades notadas na sede do Império - principalmente o porte e o andamento - e foram apelidados de cavalos Mangalarga numa alusão à fazenda de onde vinham.